CONTATOS

quinta-feira, 19 de abril de 2012

AMAR OU NÃO AMAR?


 "Amo como ama o amor. Não conheço nenhuma outra razão para amar senão amar. Que queres que te diga, além de que te amo, se o que quero dizer-te é que te amo?" (Fernando Pessoa)



Meditando nesse pensamento de Fernando Pessoa cheguei a conclusão que o amor quando existe por si só se basta. Não há muito o que explicar... não há muito para entender... não há muito o que fazer. 
Algumas pessoas nos dão razões para ama-las, outras nem precisam fazer muito esforço... simplesmente amamos. Olhamos nos olhos e vemos a alma... então nos envolvemos e amamos...Talvez isso seja o que o poeta tentou escrever, ou como me chegou a mensagem... não sei... Mas algo é fato: sofremos por quem amamos.
Sofremos de várias formas e maneiras. Sofrer junto é sempre bom. Mas quando as pessoas que amamos nos negam esse direito: o de sofrer junto. Aí a dor é mais dor e o sofrimento é mais sofrível, pois ficamos pensando "como seria bom estar junto, chorar junto, abraçar"...
Não estou falando aqui de um tipo de amor romântico ou erótico... estou falando do amor entre irmãos amigos, que pode ser desenvolvido em qualquer relacionamento. 
Quando nos abandonam... essas pessoas que amamos, a dor se torna  persistente... uma dorzinha chata que todo dia incomoda. Aí cheguei a conclusão que amar dói. Dói a alma... e dependendo do agravo... sangra.  
Mas no fim entendemos que foi melhor ter amado... do que viver sem o amor. Pois o amor sempre será melhor que o vazio no peito. Por isso a todos que amo  sou grata por existirem e por serem alvo desse sentimento que enobrece e me torna humana.

UM FORTE ABRAÇO, SILVANA

Nenhum comentário:

Postar um comentário