CONTATOS

quinta-feira, 13 de setembro de 2018

O Batismo no Espírito Santo










Somente em Atos 2 o Espírito Santo é derramado sobre “toda a carne”, cumprindo-se a profecia de Joel 2.28. O próprio apóstolo Pedro, cheio do Espírito de Deus, cita essa passagem bíblica como referência do que estava acontecendo naquele instante.
A expressão “derramado” representa bem essa manifestação gloriosa do Espírito Santo de Deus.
Seu poder, entregue aos profetas, sacerdotes e reis do Antigo Testamento, agora é lançada sobre todo o homem que almeja ser um instrumento de valor para o Reino de Deus.

O BATISMO COM O ESPÍRITO SANTO

É uma manifestação sobrenatural onde o espírito do crente e o Espírito Santo unem-se EM UM MESMO LOUVOR A DEUS.
É ser completamente cheio do Espírito Santo.
É uma experiência de poder sobrenatural sobre a sua vida, que abre novas perspectivas para a vida.

O SINAL - O falar em outras línguas era, entre os crentes do NT, um sinal da parte de Deus para evidenciar o batismo com o Espírito Santo.
A experiência do batismo de fogo, pelo Espírito Santo, é descrita dessa maneira na Bíblia:
“E, cumprindo o dia de Pentecostes, estavam todos reunidos no mesmo lugar; E, de repente, veio do céu, um vento veemente e impetuoso, se encheu toda a casa em que estavam assentados. E foram vistas por eles, línguas como que de fogo, as quais pousaram sobre cada um deles. E todos foram cheios do Espírito Santo, e começaram a falar em outras línguas, conforme o Espírito Santo lhes concedia que falasse.” (Atos 2:1-4).
“E, dizendo Pedro ainda essas palavras, desceu o Espírito Santo sobre todos os que ouviam a palavra. E os fiéis que era da circuncisão, todos quantos tinham vindo com Pedro, maravilhavam-se de que o dom do Espírito Santo se derramasse sobre os gentios. Porque os ouviam falar em línguas e magnificar a Deus” (Atos 10:44-46)

A uns discípulos de João Batista, os quais estavam em Éfeso, Paulo também pregou o Batismo em nome de Jesus e o Batismo com o Espírito (Atos 19:1-7): “E os que ouviram foram batizados em nome de Jesus. E, impondo-lhes as mãos, veio sobre eles o Espírito Santo; e falavam línguas e profetizavam”. (Atos 19:5-6)

Em Atos 2:38 e 39, o Apóstolo Pedro, após o primeiro sermão, disse que após o arrepender-se, o povo deveria ser batizado em nome de Jesus e receberiam o dom do Espírito Santo e que a promessa era para eles, para seus filhos, para os que estavam perto e os que estavam longe, e para tanto a quantos Deus, nosso Senhor chamar. Isso aconteceu muitas outras vezes e em muitos outros lugares: Atos 4:31, Atos 6:3, Atos 8:14-17.

Esse agir sobrenatural é em uma língua que nunca se aprendeu (Atos 2:4, 1 Coríntios 14:14-15), quer seja uma língua falada na Terra ou mesmo numa linguagem de anjos(Atos 2:6 1 Coríntios 13:1).

O evangelista Reinhard Bonnke diz que o batismo no Espírito Santo não foi uma experiência isolada no passado, mas é o ambiente que fornece a vitalidade da fé cristã. Em suas palavras, no livro ‘Manifestações Poderosas’, ele diz: “quando bombardeamos o mundo com o evangelho, Ele é a munição para nossa artilharia. Ele anima os crentes: seus ensinos, sua pregação, seus cultos e sua vida... Sempre há um avivamento quando estamos pregando a Palavra de Deus e o Espírito está presente”.

ENTRISTECER O ESPÍRITO SANTO

Cultivar um relacionamento com Deus promove a ação em nosso interior do seu Espírito Santo (Efésios 3:16-17), gerando seu fruto em nós. Em Efésios 4:17 a 5:21 o apóstolo Paulo torna em termos práticos como deve ser nosso viver/proceder diário. No versículo 4:30 lemos: “E não entristeçais o Espírito Santo de Deus, no qual estais selados para o dia da redenção”.
O crente causa tristeza ou pesar ao Espírito Santo quando não da importância à sua presença, ou à sua voz e direção (Gálatas 6:6-7, Romanos 8:5-9). O próximo passo é acabar resistindo a Deus (Atos 7:51). O homem de dura cerviz é a descrição da pessoa orgulhosa demais para se deixar corrigir. Sabendo o que é o certo ou sendo convencido pela Palavra mesmo assim a pessoa não se arrepende. Dissimula e vive a aparência, não deixando que a Palavra de Deus o transforme.
Esse endurecimento (Hebreus 3:7-16) leva a ‘extinguir’ o Espírito Santo na vida da pessoa (1 Tessalonicenses 5:19,20), pois começará a desprezar a PRÓRPIA palavra de deus.
Não extingais o Espírito.
Não desprezeis as profecias. 1 Tessalonicenses 5:19,20
Portanto, como diz o Espírito Santo: Se ouvirdes hoje a sua voz,
Não endureçais os vossos corações,Como na provocação, no dia da tentação no deserto. Hebreus 3:7,8
Quando se resiste ao Espírito Santo impede-se seu agir, não dando mais ouvidos a sua Palavra, acaba extinguindo-o de sua vida.
O apóstolo João em sua primeira epístola capítulo 5 e versículo 16-17, fala que: “Há pecado para a morte e por esse não digo que ore” (1 João 5:16b). Jesus disse: “Todo pecado e blasfêmia serão perdoados aos homens, mas a blasfêmia contra o Espírito Santo não será perdoada” Mateus 12:31-32. No verso 34 entendemos que reputar as obras de Deus ao diabo é a causa.
O escritor de Hebreus fala do “agravo ao Espírito da Graça” e indaga que quem comete merece mais que a morte (Hebreus 10:27-31). E em Atos 5:3-4 lemos que o mentir ao Espírito Santo trouxe morte a Ananias e Safira.
A obscuridade na mente da pessoa leva-a a agir cruelmente contra a fé (2 Tessalonicenses 2:2)
e pode conduzi-la a um  ponto onde Deus não mais agirá nela, rejeitando-a para sempre.
O Senhor sabia que Judas Iscariotes tinha uma predisposição a ser um traidor (João 6:64) mas deixou-o com outros que também eram descrentes, para trabalhar-lhe o arrependimento. Porém, Judas resistiu-lhe até o fim, quando então o diabo entrou nele (Lucas 22:3). Após isso, ele entregou Jesus aos seus algozes, com sadismo e, por fim, preferiu suicidar-se a arrepender-se.

quinta-feira, 12 de julho de 2018

sábado, 24 de março de 2018

A MORTE NÃO É O FIM, É SEMPRE POSSÍVEL ESCOLHER A VIDA!

A MORTE NÃO É O FIM, É SEMPRE POSSÍVEL ESCOLHER A VIDA!

Pessoas que passaram por experiências com a morte e sentiram de perto   o seu poder arrebatador não podem ser como antes... resignificam melhor a vida, sim, sob qualquer circunstância. Mesmo diante da morte nossas escolhas são condição imutável da nossa imortalidade e da verdade irrevogável de que é sempre possível escolher a vida.
A vida é um presente de Deus e não tem preço. O apóstolo Tiago diz: “Toda boa dádiva e todo dom perfeito vêm do alto, descendo do Pai das luzes, que não muda como sombras inconstantes”. (Tiago 1.17)
É uma falta de sabedoria, de prudência e de justiça não dar à vida o uso que Deus espera que façamos dela. O plano original de Deus era que os homens fossem eternos. O homem foi feito à imagem e semelhança de Deus. Isto incluía o fato da imortalidade.
Jó reconhece que a vida está nas mãos de Deus - (Jó 12.10): “Em sua mão está a vida de cada criatura e o fôlego de toda a humanidade”. (Jó 33.4): “O Espírito de Deus me fez; o sopro do Todo-poderoso me dá vida”.
A morte, para os salvos, não é o fim da vida, mas um novo começo. Neste caso, ela não é um terror (1Co 15.55-57), mas um meio de transição para uma vida mais plena. Para o salvo, morrer é ser liberto das aflições deste mundo (2Co 4.17) e do corpo terreno, para ser revestido da vida e glória celestiais (2Co 5.1-5). Paulo se refere à morte como sono (1Co 15.6,18,20; 1Ts 4.13-15), o que dá a entender que morrer é descansar do labor e das lutas terrenas (cf. Ap 14.13).
A Bíblia refere-se à morte do crente em termos consoladores. Por exemplo, ela afirma que a morte do santo “Preciosa é à vista do SENHOR” (Sl 116.15). É a entrada na paz (Is 57.1,2) e na glória (Sl 73.24); é ser levado pelos anjos “para o seio de Abraão” (Lc 16.22); é ir ao “Paraíso” (Lc 23.43); é ir à casa de nosso Pai, onde há “muitas moradas” (Jo 14.2); é uma partida bem-aventurada para estar “com Cristo” (Fp 1.23); é ir “habitar com o Senhor” (2Co 5.8); é um dormir em Cristo (1Co 15.18; cf. Jo 11.11; 1 Ts 4.13); “é ganho... ainda muito melhor” (Fp 1.21,23), é a ocasião de receber a “coroa da justiça” (ver 2Tm 4.8 ).
Escolher a vida implica em estar livre do poder da morte - Muitos vivem escravos do medo da morte – os verdadeiros filhos de Deus, tem a promessa da Palavra de que é  liberto do pavor da morte.
            Hebreus 2.15 - E outra vez: Porei nele a minha confiança. E outra vez: Eis-me aqui a mim, e aos filhos que Deus me deu.  E, visto como os filhos participam da carne e do sangue, também ele participou das mesmas coisas, para que pela morte aniquilasse o que tinha o império da morte, isto é, o diabo;  E livrasse todos os que, com medo da morte, estavam por toda a vida sujeitos à servidão.  Porque, na verdade, ele não tomou os anjos, mas tomou a descendência de Abraão.  Por isso convinha que em tudo fosse semelhante aos irmãos, para ser misericordioso e fiel sumo sacerdote naquilo que é de Deus, para expiar os pecados do povo. Porque naquilo que ele mesmo, sendo tentado, padeceu, pode socorrer aos que são tentados.

Escolher a vida implica, principalmente em seguir a Cristo – “Eu sou o caminho, a verdade e a vida”,  e andar segundo a Palavra de Deus - “O temor de Deus é a fonte de vida” - (Provérbios 14.29). Quando alguém vive debaixo do cuidado e do temor do Senhor, sua vida é prolongada na terra com promessas para a uma eternidade com Cristo.
Agora em que comemoro mais um ano de vida agradeço a Deus por esse dom maravilhoso.

Que Deus abençoe você.
Bjs Silvana

A ANSIEDADE


Texto: Mateus 6:25-34
Por isso vos digo: Não andeis cuidadosos quanto à vossa vida, pelo que haveis de comer ou pelo que haveis de beber; nem quanto ao vosso corpo, pelo que haveis de vestir. Não é a vida mais do que o mantimento, e o corpo mais do que o vestuário?
Olhai para as aves do céu, que nem semeiam, nem segam, nem ajuntam em celeiros; e vosso Pai celestial as alimenta. Não tendes vós muito mais valor do que elas?
E qual de vós poderá, com todos os seus cuidados, acrescentar um côvado à sua estatura?
E, quanto ao vestuário, por que andais solícitos? Olhai para os lírios do campo, como eles crescem; não trabalham nem fiam;
E eu vos digo que nem mesmo Salomão, em toda a sua glória, se vestiu como qualquer deles.
Pois, se Deus assim veste a erva do campo, que hoje existe, e amanhã é lançada no forno, não vos vestirá muito mais a vós, homens de pouca fé?
Não andeis, pois, inquietos, dizendo: Que comeremos, ou que beberemos, ou com que nos vestiremos?
(Porque todas estas coisas os gentios procuram). De certo vosso Pai celestial bem sabe que necessitais de todas estas coisas;
Mas, buscai primeiro o reino de Deus, e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas.
Não vos inquieteis, pois, pelo dia amanhã, porque o dia de amanhã cuidará de si mesmo. Basta a cada dia o seu mal.
Introdução
            Devemos começar nosso estudo desta passagem nos assegurando de que entendemos o que é o que Jesus proíbe e o que autoriza. O que Jesus proíbe não é a prudência que prevê o futuro a fim de tomar medidas necessárias para responder, oportunamente, a suas demandas. Ele proíbe o angustiar-se pelo amanhã antes de saber o que nos trará o amanhã. Jesus proíbe, sim, o temor ansioso, doentio, que é capaz de eliminar toda possibilidade de alegria de viver.
            No original grego para ansiedade se usa o termo “merimnan”, que significa preocupar-se ansiosamente, a ponto de alterar funções orgânicas e psicológicas.
Definição/discussão
            Mateus 6:25-34 - Nestes dez versículos Jesus apresenta sete argumentos  contra ansiedade:
            Começa assinalando (v. 25) que Deus nos deu a vida e que se tal foi a magnitude de seu dom, podemos confiar nEle com respeito às coisas menores. Se Deus nos deu a vida, certamente também nos dará o alimento que necessitamos para seu sustento. Se nos deu corpos, certamente podemos confiar que terá que nos dar também roupa para que os cubramos e abriguemos.   Se alguém  nos der  um  dom   que   não   tem preço, podemos confiar que sua generosidade   será   sempre   magnânima, que não será mesquinho nem surdo ante nossa necessidade. Portanto, a verdade é que se Deus nos deu a vida, podemos confiar em que nos dará todas as coisas que necessitamos para sustentá-la.
            Jesus prossegue falando das aves (v.26). Sua vida está desprovida de preocupação. Nunca armazenam o que podem chegar a necessitar em um futuro imprevisível; e entretanto seguem vivendo.  O Rabino Simeão disse: "Jamais em minha vida vi um cervo que tirasse figos, nem um leão que transportasse cargas, nem uma raposa que fosse comerciante, e entretanto todos eles se alimentam, sem preocupações. Se eles, que foram criados para me   servir,   vivem   sem   preocupações,   quanto mais eu, que   fui   criado   para servir   a   meu   Criador,   deveria   viver   sem trabalhar em excesso por meu alimento; mas eu  corrompi minha vida e, desse modo,   prejudiquei   minha substância."  Jesus   não   quer   dar   ênfase   ao   fato   de   que   as   aves   não   trabalham; tem-se dito que provavelmente o pardal seja um dos seres viventes que mais trabalha para comer; no que insiste é em que estão desprovidos de ansiedade. Não se poderia encontrar nos animais a preocupação do homem por vigiar um futuro que não pode ver; nem tampouco é  característico deles acumular bens a fim de desfrutar de uma certa segurança para o futuro.
            No versículo 27 Jesus prossegue demonstrando que toda forma de preocupação é inútil. Este versículo pode interpretar-se de duas maneiras distintas.   Pode significar que ninguém, por mais    que se preocupe, pode aumentar de estatura (a medida que Jesus usa como exemplo   equivale   a uns quarenta centímetros). Também pode significar que por mais que nos preocupemos não podemos acrescentar nem um dia à nossa vida, e este significado é mais provável. De todos os modos, o que Jesus quer dizer é que a preocupação é inútil.
            Jesus prossegue referindo-se às flores (vs. 28-30). Fala delas do modo como o faria alguém capaz das amar.  Os lírios  do  campo  a  que    faz  referência  são provavelmente  as papoulas   e   as  anêmonas que floresciam silvestres, durante um só dia nas serranias da Palestina. E entretanto,    durante  tão  breve  vida  estavam vestidas   de   uma   beleza   que   ultrapassava   a   dos   mantos   reais. Quando morriam, não serviam para outra coisa se não para serem queimadas. O forno que se usava nos lares palestinenses era feito de barro. Era uma espécie de cubo de barro que se   colocava  sobre  o  fogo.   Quando se  desejava elevar a temperatura desses fornos de modo rápido, adicionavam-se ao fogo   molhos   de   ervas   e   flores   silvestres   secas   e   uma  vez   acesos   eram postos dentro do forno. As flores do campo viviam um só dia, e depois somente serviam para ser queimadas e ajudar à mulher que queria assar algo e  tinha pressa. E entretanto,   Jesus   as   vestia   de   uma   beleza   que   o homem,   em   seus   melhores   intentos,   nem   sequer   pode   imitar.   Se Deus outorgar tanta beleza a uma flor, que somente viverá umas poucas horas, quanto mais fará a favor do homem? Certamente Deus em sua generosidade com uma flor de um dia, não deve esquecer do homem, que é a coroa de toda a criação.

Aplicação prática
            Leia 1 Pe 5:7 e Fl 4:6-7.  A ansiedade tem sido uma das armas do inimigo para gerar conflitos de toda ordem. A ansiedade pode lhe levar a perder tudo o que Deus tem planejado para sua vida, pois leva o homem/mulher à inquietação trazendo perturbação de espírito, o que leva à tomada de  decisões erradas.
            A ansiedade se manifesta de diferentes modos em nossas vidas e de uma forma ou de outra, todos nós sofremos as suas conseqüências. Ela na verdade é uma manifestação carnal, na qual o ser humano tenta se prevenir daquilo que não quer que aconteça. Funciona como um sistema de autodefesa e geralmente é desnecessário, pois o que tememos não é real. Jesus nos ensina em muitas ocasiões, como a ansiedade furta-nos do prazer de vivermos abundantemente em Sua presença, que deve ser o nosso objetivo maior e sem o que, a vida não faz sentido.
            É interessante observar que a ansiedade do homem tem estreita relação com a vida material; Vejabem o que ocorre no momento da crucificação de Jesus: um dos ladrões reclama de Jesus uma ação para livrá-los daquela situação. Ele na verdade está apenas tentando livrar-se da condenação para continuar a sua vida como antes; o outro ladrão, no entanto, reconhecendo o seu estado miserável de crime (pecado) e condenação pede a Jesus que lembre-se dele em outras palavras, perdoe-lhe os pecados.
            Quando dominados pela ansiedade por vezes queremos “dar ordens” a Deus, em como Ele deve agir a nosso favor... o que deve nos dar...               Jesus com Sua resposta ao ladrão da cruz nos mostra como Ele (Deus) está atento as necessidades dos que o buscam, pois como lemos na bíblia em diversas ocasiões, ele concede muito mais do que o que Lhe é pedido.

QUE GRAÇA E A PAZ SEJA CONTIGO!!!!!

GRAÇA E PAZ!!!

Filipenses 1:1-2


            A saudação de Paulo a seus amigos é: Graça e paz a vós de parte de Deus Pai e de nosso Senhor Jesus Cristo (Romanos 1:7; 1 Coríntios 1:3; 2 Coríntios 2:2; Gálatas 1:3; Efésios 1:2; Colossenses 1:2; 1 Tessalonicenses 1:1; 2 Tessalonicenses 1:2; Filemom 3).

            Quando o apóstolo  Paulo adota e une estes dois grandes termos  graça e paz (caris e eirene) realiza uma síntese maravilhosa. Toma as saudações de duas grandes nações e os funde em uma.

            “Caris” é a saudação normal grega, com o qual começavam todas as cartas.  “Eirene” é a saudação normal hebraica – a expressão com  que se saudavam os judeus ao encontrar-se. Cada uma destas palavras tem seu próprio sabor, e cada uma faz-se mais intensa, mais profunda e imensamente preciosa pelo novo significado que o cristianismo lhe confere.

            “Caris”  é uma bela palavra; inclui as idéias básicas de alegria e egozijo, de brilho e beleza. É uma das acepções de nossa palavra graça, encanto. Jesus adicionou uma nova beleza a que já existia e esta beleza nasce da nova relação de graça com Deus. A vida com Cristo torna-se encantadora porque o homem já não é vítima da Lei de Deus, mas sim filho de seu amor. Com Cristo  tem lugar o encanto supremo do descobrimento de Deus Pai.

            “Eirene” é uma palavra de enorme  alcance. Traduzimo-la por paz, mas nunca significa uma paz negativa; nunca implica a simplesmente a ausência de dificuldades. Significa bem-estar  total, algo que faz ao bem supremo do homem.

            Poderíamos conectá-la com a palavra grega  “eirein”  que significa unir, tecer, congregar. E esta paz sempre tem que ver com as relações pessoais: a relação da pessoa consigo mesmo; a relação com o próximo e a relação com Deus. É sempre, como se tem dito, a paz nascida da reconciliação.

            Assim, pois, quando Paulo implora graça e paz para seu povo quer que cheguem a desfrutar a alegria do conhecimento de Deus Pai e a paz da reconciliação com Deus, com os homens e com eles mesmos, e esta graça e esta paz só podem provir de Jesus Cristo.

QUE A GRAÇA E A PAZ DE DEUS ALCANCE TUA VIA E DA TUA FAMÍLIA, HOJE E SEMPRE!!!!

A MORTE NÃO É O FIM, É SEMPRE POSSÍVEL ESCOLHER A VIDA!

A MORTE NÃO É O FIM, É SEMPRE POSSÍVEL ESCOLHER A VIDA!


A MORTE NÃO É O FIM, É SEMPRE POSSÍVEL ESCOLHER A VIDA!
Pessoas que passaram por experiências com a morte e sentiram de perto   o seu poder arrebatador não podem ser como antes... resignificam melhor a vida, sim, sob qualquer circunstância. Mesmo diante da morte nossas escolhas são condição imutável da nossa imortalidade e da verdade irrevogável de que é sempre possível escolher a vida.
A vida é um presente de Deus e não tem preço. O apóstolo Tiago diz: “Toda boa dádiva e todo dom perfeito vêm do alto, descendo do Pai das luzes, que não muda como sombras inconstantes”. (Tiago 1.17)
É uma falta de sabedoria, de prudência e de justiça não dar à vida o uso que Deus espera que façamos dela. O plano original de Deus era que os homens fossem eternos. O homem foi feito à imagem e semelhança de Deus. Isto incluía o fato da imortalidade.
Jó reconhece que a vida está nas mãos de Deus - (Jó 12.10): “Em sua mão está a vida de cada criatura e o fôlego de toda a humanidade”. (Jó 33.4): “O Espírito de Deus me fez; o sopro do Todo-poderoso me dá vida”.
A morte, para os salvos, não é o fim da vida, mas um novo começo. Neste caso, ela não é um terror (1Co 15.55-57), mas um meio de transição para uma vida mais plena. Para o salvo, morrer é ser liberto das aflições deste mundo (2Co 4.17) e do corpo terreno, para ser revestido da vida e glória celestiais (2Co 5.1-5). Paulo se refere à morte como sono (1Co 15.6,18,20; 1Ts 4.13-15), o que dá a entender que morrer é descansar do labor e das lutas terrenas (cf. Ap 14.13).
A Bíblia refere-se à morte do crente em termos consoladores. Por exemplo, ela afirma que a morte do santo “Preciosa é à vista do SENHOR” (Sl 116.15). É a entrada na paz (Is 57.1,2) e na glória (Sl 73.24); é ser levado pelos anjos “para o seio de Abraão” (Lc 16.22); é ir ao “Paraíso” (Lc 23.43); é ir à casa de nosso Pai, onde há “muitas moradas” (Jo 14.2); é uma partida bem-aventurada para estar “com Cristo” (Fp 1.23); é ir “habitar com o Senhor” (2Co 5.8); é um dormir em Cristo (1Co 15.18; cf. Jo 11.11; 1 Ts 4.13); “é ganho... ainda muito melhor” (Fp 1.21,23), é a ocasião de receber a “coroa da justiça” (ver 2Tm 4.8 ).
Escolher a vida implica em estar livre do poder da morte - Muitos vivem escravos do medo da morte – os verdadeiros filhos de Deus, tem a promessa da Palavra de que é  liberto do pavor da morte.
            Hebreus 2.15 - E outra vez: Porei nele a minha confiança. E outra vez: Eis-me aqui a mim, e aos filhos que Deus me deu.  E, visto como os filhos participam da carne e do sangue, também ele participou das mesmas coisas, para que pela morte aniquilasse o que tinha o império da morte, isto é, o diabo;  E livrasse todos os que, com medo da morte, estavam por toda a vida sujeitos à servidão.  Porque, na verdade, ele não tomou os anjos, mas tomou a descendência de Abraão.  Por isso convinha que em tudo fosse semelhante aos irmãos, para ser misericordioso e fiel sumo sacerdote naquilo que é de Deus, para expiar os pecados do povo. Porque naquilo que ele mesmo, sendo tentado, padeceu, pode socorrer aos que são tentados.

Escolher a vida implica, principalmente em seguir a Cristo – “Eu sou o caminho, a verdade e a vida”,  e andar segundo a Palavra de Deus - “O temor de Deus é a fonte de vida” - (Provérbios 14.29). Quando alguém vive debaixo do cuidado e do temor do Senhor, sua vida é prolongada na terra com promessas para a uma eternidade com Cristo.
Agora em que comemoro mais um ano de vida agradeço a Deus por esse dom maravilhoso.
Que Deus abençoe você. Bjs Silvana

quarta-feira, 14 de março de 2018

O JUGO SERÁ QUEBRADO PELA UNÇÃO




O JUGO SERÁ QUEBRADO PELA UNÇÃO

Isaías 10:27-"Acontecerá naquele dia, que a sua carga será tirada do teu ombro, e o seu jugo do teu pescoço. E o jugo será despedaçado por causa da unção."
Literalmente...
A CARGA – tudo que era carregado pelo animal
O JUGO – armação de madeira pesada que é colocada sobre o pescoço do boi para controla-lo, dirigi-lo, domina-lo.
Espiritualmente ...
A CARGA – peso do pecado, opressão, o que causa fadiga, doenças, depressão
O JUGO – a dominação, escravidão  a prisão, o domínio, a direção do inimigo.

PROMESSA – UM DIA SERÁ TIRADO A CARGA... E O JUGO SERÁ DESPEDAÇADO
JESUS CUMPRE ESSA PROMESSA - Mateus 11:28-29-30. "...porque o meu jugo é suave e o meu fardo é leve."

28 Vinde a mim, todos os que estais cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei.
29 Tomai sobre vós o meu jugo, e aprendei de mim, que sou manso e humilde de coração; e encontrareis descanso para as vossas almas.
30 Porque o meu jugo é suave e o meu fardo é leve. Mateus 11:28-30.
MAS OBSERVE QUE A INICIATIVA É DA PESSOA ---- VINDE, ESCOLHA O MEU JUGO.

ISAÍAS DIZ.... que a UNÇÃO quebrará a escravidão do JUGO.

E é o ESPÍRITO SANTO que nos alcança com a unção
“Todavia, digo-vos a verdade: que vos convém que eu vá, porque, se eu não for, o Consolador não virá a vós; mas, se eu for, enviar-vo-lo-ei. E, quando ele vier, convencerá o mundo do pecado, e da justiça e do juízo.” (João 16:7-8)

TUDO CERTO. TUDO MARAVILHOSO... MAS O INIMIGO TEM ÓDIO DOS SERES HUMANOS, CRIADOS A SEMELHANÇA DE DEUS. E O SEU MAIOR PRAZER É DESTRUI-LOS. E TEM UM JUGO PREPARADO PRA VC.
O próprio Jesus definiu a obra de satanás como aniquiladora quando Ele diz: "O ladrão vem somente para, roubar, matar e destruir [...]" (Jo 10.10). Esta é a obra de satanás: destruição e morte. Mas Jesus continua: "[...] eu vim para que tenham vida e a tenham em abundância. Para isso se manifestou o Filho de Deus, Jesus Cristo veio para desfazer as obras do diabo. Jesus Cristo triunfantemente esmagou a cabeça da serpente, quando morreu em nosso lugar para que tivéssemos a vida abundante que só Ele é capaz de nos oferecer. No momento em que Jesus ressuscitou, a vitória foi plena, declarada e assinada com seu próprio sangue. Em Cristo Jesus somos mais que vencedores porque já entramos nessa batalha vitoriosos. Cristo já venceu por nós; tomemos posse dessa vitória, em nome de Jesus!

PRECISAMOS PERSEVERAR NA FÉ. “Aquele que perseverar até o fim será salvo” (Mateus 24:13), “sê fiel até a morte e dar-te-ei a coroa da vida” (Apocalipse 2:10).


1.     QUANDO SE VIVE SOB O JUGO
O JUGO:
- impede a pessoa ver em qualquer direção, não se pode levantar a cabeça. (símbolo da redenção) e olhar para o alto, para o céu, para Deus.(Hb.12:2)"olhando para Jesus autor e consumador da fé...".
- O jugo faz a pessoa  prisioneira, escrava de satanás, que a açoita impiedosamente, usando para isso seus próprios sentimentos e emoções.
- O jugo permite ao diabo massacrar e oprimir.
- O jugo faz a pessoa sentir-se impotente e incapaz.
- O jugo deixa a pessoa perturbada, atormentada por lembranças do passado que a fazem sofrer. Foram atitudes, erros cometidos, dos quais não consegue se livrar e nem se perdoar, por mais que tente.
- Uma pessoa prisioneira do inimigo é uma pessoa sem visão real dos fatos; do que realmente está acontecendo com sua vida e em sua volta. Ela não vê saída. É uma pessoa sem discernimento.
- O jugo cega - Uma escrava que não sabe que é escrava. Até que um dia ouça a voz do Espírito Santo; a voz do Senhor lhe falando em Mateus 11:28-29-30. "...porque o meu jugo é suave e o meu fardo é leve."

2.      QUEM COLOCA O JUGO É SATANAS

- Satanás era um querubin ungido e esta unção lhe dava autoridade para ir diante do trono de Deus. Porém, satanás não soube administrar essa unção; ele usou indevidamente a autoridade que lhe foi conferida como querubim da guarda e por causa da inveja se rebelou contra Deus, vindo, não somente a perder a unção e a autoridade que essa lhe conferia, como também perder seu lugar no REINO, de onde foi expulso com todos os anjos que se deixaram contaminar pela sua rebeldia.
- O diabo não pôde  mais morar nos céus e desde que Deus criou o homem, ele só entra lá para acusar os filhos de Deus, colocando sobre ele pesados fardos e jugos.
- Satanás procura, incansavelmente, atingir a Deus por meio da obra prima de sua criação, que é o homem; pois Deus fez o homem com suas próprias mãos. Toda criação do universo vei a existir a partir da Palavra de Deus, mas o homem foi tecido pelas próprias mãos do Criador. O diabo odeia o homem, e principalmente, o homem filho de Deus, porque sobre este ele perdeu o direito de posse.
O JUGO VEM...
- PELA FALTA DE SANTIDADE – SEPARAÇÃO DO MUNDO.
- PELA FALTA DE FÉ E CONFIANÇA EM DEUS – SE APRESSA A FAZER A SUA VONTADE E NÃO A DE DEUS
- PELA CONFUSÃO NA MENTE - FALTA DE LEITURA DA BIBLIA E ORAÇÃO



3.     A UNÇÃO QUEBRA O JUGO

A UNÇÃO  -  "E vós possuís unção que vem do Santo e todos tendes conhecimento." (1 Jo 2.20). O que significa unção?
A unção é a consequência direta do ato de ungir. No Antigo Testamento era muito comum derramar azeite (um símbolo visível) sobre a cabeça de uma pessoa com o objetivo de consagrá-la, santificá-la para um serviço especial. Isso é o que significa ungir a pessoa. Consequentemente, se a pessoa fosse fiel a Deus, seria e permaneceria cheia da unção do Senhor, seria um ungido.

UNÇÃO – REPRESENTA A  AUTORIDADE. Temos a autoridade do SANTO.
Mas quando você assume a sua identidade de cristão tudo muda. A palavra "cristão" significa "ungido". E a unção veio desfazer o jugo.
Em  Salmo 92.10 está escrito : "Derramas sobre mim o óleo fresco." Há uma unção nova a cada dia. O óleo derramado é fresco; ele é novo, não é amanhecido. Diariamente está a sua disposição uma unção nova.
Deus tem uma unção nova a cada dia para poderes resistir diariamente a tentativa de satanás de colocar de novo o jugo sobre vc.
VOCÊ É UM UNGIDO – para quebrar o jugo sobre sua vida diarimente e para quebrar jugos de outras pessoas pela autoridade que há em vc.
    Quantos estão por aí, correndo de um lado para o outro, amedrontados, procurando alguém que com autoridade lhes possa afungentar o inimigo; lembre- " A autoridade é nossa, é sua, nos foi outorgada (concedida) pelo nosso General.


-O jugo de Jesus é suave e o seu fardo é leve.

Jesus não sobrecarrega ninguém, ele só quer a sua visão fixa nele, voltada para ele. Se sua visão estiver fixa nele você vai poder discernir, entender, compreender e enxergar tudo o que está realmente acontecendo a sua volta. Você terá uma real visão dos fatos, sabendo discernir entre o bem e o mal; entre o que agrada a Deus e o que não lhe agrada, entre o que lhe convém e o que não lhe convém. Você compreenderá todo o plano espiritual, e o propósito de Deus não só para a sua vida, mas para toda à humanidade. A Palavra dele passará a ser luz para o teu caminho. Sl 119:105. Voce passará a ser guiado por ela: Salmo 119:97-104.
A tua visão estará fixada nele: Hebreus 12:2.
O Senhor Jesus quer que você desfrute do melhor desta terra: Isaías 1:9.

CONCLUSÃO

HÁ ALGUM JUGO AINDA NA SUA VIDA?
ALGO QUE IMPEDE QUE VC VEJA CLARAMENTE?
VC SENTE-SE SOBRECARREGADO, CANSADO, ESGOTADO ESPIRITUALMENTE?
HJ A UNÇÃO QUEBRARÁ TODO JUGO. A UNÇÃO DO ESPÍRITO SANTO.


O PODER DO PERDÃO

Pra Silvana Machado


O PODER DO PERDÃO

TEXTO BASE:  Gn 50: 15 – 21
15 Vendo os irmãos de José que seu pai havia morrido, disseram: “E se José tiver rancor contra nós e resolver retribuir todo o mal que lhe causamos?” 16 Então mandaram um recado a José, dizendo: “Antes de morrer, teu pai nos ordenou 17 que te disséssemos o seguinte: ‘Peço-lhe que perdoe os erros e pecados de seus irmãos que o trataram com tanta maldade!’ Agora, pois, perdoa os pecados dos servos do Deus do teu pai”. Quando recebeu o recado, José chorou.
18 Depois vieram seus irmãos, prostraram-se diante dele e disseram: “Aqui estamos. Somos teus escravos!”
19 José, porém, lhes disse: “Não tenham medo. Estaria eu no lugar de Deus? 20 Vocês planejaram o mal contra mim, mas Deus o tornou em bem, para que hoje fosse preservada a vida de muitos. 21 Por isso, não tenham medo. Eu sustentarei vocês e seus filhos”. E assim os tranqüilizou e lhes falou amavelmente.

INTRODUÇÃO
José tinha tudo para ter uma vida amargurada.
Gn 37:4 – odiado por ser o preferido do pai
Gn 37:24 – irmãos com ódio jogam numa cisterna e depois queriam mata-lo
Gn 37:28 – vendido a uma caravana de ismaelitas
Gn 39:1 – Potifá compra José
Gn 39:6 – escravo a gerente
Gn 39: 7-20 – José é tentado e foge e sofre calunia da mulher de potifar  e é lançado na prisão
Gn 40 : 7-26 – interpreta o sonho do copeiro e disse  lembre-se de mim. Copeiro o esqueceu
Gn 41 – interpreta o sonho de faraó – instruções – promovido a governador do egito.
Gen cap 42 a 50 – os irmãos de José vão parar nas mãos de José.
José – duas opções – retribuir do mesmo jeito a seus irmãos ou perdoar seus irmãos.

Texto lido – pai morre e os irmãos pensam que agora José iria retribuir. Mas José já tinha perdoado.

José perdoou o pai – fez diferença entre os filhos daí o ódio entre os irmãos.
José pedoou os irmãos – rasgaram suas vestes, jogaram-no numa vala, venderam-no como escravos
José perdoou a mulher de Potifá e ao próprio Potifá.
José perdoou o amigo de prisão que o esqueceu.
Quando foi governador do Egito podia vingar-se de todos...mas escolheu o perdão. Por isso Deus era com ele. Por isso tinha a benção de Deus.
José foi provado no perdão durante toda a vida....e venceu.
É impossível viver bem nessa vida sem perdoar. É preciso perdoar.
É fácil perdoar? Perdoar é esquecer? Perdoar é “vc lá e eu aqui.” Perdoar e se deixar enganar de novo?

1.     O QUE É PERDOAR?

·        Perdoar significa desculpar um erro ou uma ofensa. Na Bíblia, a palavra grega traduzida “perdão” quer dizer literalmente “abrir mão, deixar ir embora”.
·       É como se alguém abrisse mão do pagamento de uma dívida. Perdoar é rasgar a conta. Virar a página.
·       O perdão é um ato volitivo. Não é um sentimento, é uma decisão.
·       Não é esquecer –  é lembrar sem dor. Como olhar para uma cicatriz ...faz parte de vc mas não dói mais.
·       Não é deixar-se enganar novamente. Saber conviver.
·       É viver sem RESSENTIMENTO –  re-sentimento, sentir dor de novo quando lembra.
·       Ressentimento leva ao ódio, mágoa profunda, amargura, ciclo de violência (vingança).


2.     QUEM INVENTOU O PERDÃO?

Foi o próprio Deus – Deus é amor e é a fonte do perdão. Deus arquitetou um plano de perdão para nós, dando o seu filho unigênito como expiador dos nossos pecados. Jesus foi o preço do perdão de Deus. Jesus é o perdão de Deus que andou nesta terra e está hoje em nós, presente em nosso meio.

José disse Não tenham medo. Estaria eu no lugar de Deus?”
Só Deus pode julgar justamente as pessoas e estabelecer seu juízo. Quando não perdoamos nos colocamos no lugar que é de Deus.
Deus é perfeito, sem falhas... nós somos imperfeitos e cheios de falhas e pecados, por isso precisamos perdoar.

Quando perdoamos reconhecemos o perdão de Deus conosco.

Espiritualmente - É obra do diabo te aprisionar, por isso não quer que você perdoe -  
Não há inferno que resista ao perdão – “eu te perdoo”, “me perdoe” quebram as cadeias do diabo. O perdão liberta. Mateus 18:27 – deixar livre, ir embora.

O plano de Deus para nós é o perdão. Quem perdoa entende o que é a graça de Deus. Distribui a Graça de Deus. Graça – dádiva não merecida. O perdão deve ser dado a quem não merece, esse é o verdadeiro perdão e o sentido da graça.
É preciso amor, bondade, misericórdia para perdoar. Perdoar é semear o perdão. Pois um dia vamos precisar colher o perdão. Tiago 3:12


3.     JESUS ENSINOU A PERDOAR

·       Na oração do Pai Nosso
Jesus usou essa comparação quando ensinou seus seguidores a orar: “Perdoa-nos os nossos pecados, pois nós mesmos também perdoamos a todo aquele que está em dívida conosco.” (Lucas 11:4). Nosso perdão está condicionado ao perdão que damos ao outro.

·       Na ilustração do escravo que não quis perdoar, Jesus comparou o perdão ao cancelamento de uma dívida. — Mateus 18:23-35.

A Parábola do Servo Impiedoso

21 Então Pedro aproximou-se de Jesus e perguntou: “Senhor, quantas vezes deverei perdoar a meu irmão quando ele pecar contra mim? Até sete vezes?”
22 Jesus respondeu: “Eu lhe digo: Não até sete, mas até setenta vezes sete[a].
23 “Por isso, o Reino dos céus é como um rei que desejava acertar contas com seus servos. 24 Quando começou o acerto, foi trazido à sua presença um que lhe devia uma enorme quantidade de prata[b]25 Como não tinha condições de pagar, o senhor ordenou que ele, sua mulher, seus filhos e tudo o que ele possuía fossem vendidos para pagar a dívida.
26 “O servo prostrou-se diante dele e lhe implorou: ‘Tem paciência comigo, e eu te pagarei tudo’. 27 O senhor daquele servo teve compaixão dele, cancelou a dívida e o deixou ir.
28 “Mas quando aquele servo saiu, encontrou um de seus conservos, que lhe devia cem denários[c]. Agarrou-o e começou a sufocá-lo, dizendo: ‘Pague-me o que me deve!’
29 “Então o seu conservo caiu de joelhos e implorou-lhe: ‘Tenha paciência comigo, e eu lhe pagarei’.
30 “Mas ele não quis. Antes, saiu e mandou lançá-lo na prisão, até que pagasse a dívida. 31 Quando os outros servos, companheiros dele, viram o que havia acontecido, ficaram muito tristes e foram contar ao seu senhor tudo o que havia acontecido.
32 “Então o senhor chamou o servo e disse: ‘Servo mau, cancelei toda a sua dívida porque você me implorou. 33 Você não devia ter tido misericórdia do seu conservo como eu tive de você?’ 34 Irado, seu senhor entregou-o aos torturadores, até que pagasse tudo o que devia.
35 “Assim também lhes fará meu Pai celestial, se cada um de vocês não perdoar de coração a seu irmão”.

·       Deus não tem um relacionamento conosco até que reconciliemos nossas diferenças com o outro. (Mateus 5:24-26).
“deixe sua oferta ali, diante do altar, e vá primeiro reconciliar-se com seu irmão; depois volte e apresente sua oferta.  Entre em acordo depressa com seu adversário que pretende levá-lo ao tribunal. Faça isso enquanto ainda estiver com ele a caminho, pois, caso contrário, ele poderá entregá-lo ao juiz, e o juiz ao guarda, e você poderá ser jogado na prisão.
Eu lhe garanto que você não sairá de lá enquanto não pagar o último centavo".
Quem não perdoa, paga.

Mateus 6:14-15 - Pois se perdoarem as ofensas uns dos outros, o Pai celestial também lhes perdoará. Mas se não perdoarem uns aos outros, o Pai celestial não lhes perdoará as ofensas".



4.     A BÍBLIA ENSINA SOBRE O PERDÃO

·       Perdoar é pra quem tem sabedoria (não é fraqueza)

Prov. 19:11 “O entendimento do homem retém a sua ira; e sua glória é passar sobre a transgressão”
·       Vingança não é para Nós
Prov. 24:29 “Não digas: Como ele me fez a mim, assim lhe farei a ele; pagarei a cada um segundo a sua obra”.
·       Na igreja tem que haver perdão
– Colossenses 3:12-13 “Revesti-vos pois, como eleitos de Deus, santos, e amados, de entranhas de misericórdia, de benignidade, humildade, mansidão, longanimidade; Suportando-vos uns aos outros, e perdoando-vos uns aos outros, se algum tiver queixa contra outro: assim como Cristo vos perdoou, assim fazei vós também”
·       No amor é manifesto no perdão
– 1 Coríntios 13:5 – O amor não guarda rancor.
– 1 Pedro 4:8 – O amor cobre uma multidão de pecados.
– Devemos aprender a perdoar como Deus perdoa.
– Salmo 103:12 “Quanto o oriente está longe do ocidente, tanto tem ele afastado de nós as nossas transgressões”.
·       A falta de perdão nos mantém em cativeiro. Mateus 18:23-35
– Impede o perdão do Pai. – Fomos perdoados de uma dívida que nunca poderíamos pagar, qualquer dívida para nós é minúscula em comparação ao que recebemos.
– Ele foi entregue aos torturadores. V.34 – A falta de perdão abre a porta para doenças físicas e mentais e fortalezas demoníacas.
– Pode limitar ou até mesmo bloquear as bênçãos em nossa vida.
– Podemos bloquear nosso próprio perdão. Mateus 6:14-15 – Se não perdoamos, não podemos ser perdoados.
– Não andamos para frente - Provérbios 28:13 “Aquele que encobre as suas transgressões jamais prosperará, mas o que as confessa e deixa alcançará misericórdia”
A falta de perdão impede a prosperidade.
– Nos deixa amargos e os nossos corações endurecidos.
– Nos priva da graça de Deus - Hebreus 12:15 “Tendo cuidado de que ninguém se prive da graça de Deus, e de que nenhuma raiz de amargura, brotando vos perturbe, e por ela muitos se contaminem”
·       Em toda bíblia a conciliação é sempre a resposta.
– Não podemos permitir quaisquer áreas de falta de perdão em nossa vida.
– Devemos manter nossa consciência limpa e manter-nos em comunhão com os demais.
– Não insistir na falta de perdão
– Ordena a sua alma para estar sujeita ao seu espírito.
- Decida perdoar e ORE POR SEUS AGRESSORES

Romanos 12:14-18
14 Abençoai aos que vos perseguem, abençoai, e não amaldiçoeis.
15 Alegrai-vos com os que se alegram; e chorai com os que choram;
16 Sede unânimes entre vós; não ambicioneis coisas altas, mas acomodai-vos às humildes; não sejais sábios em vós mesmos;
17 A ninguém torneis mal por mal; procurai as coisas honestas, perante todos os homens.
18 Se for possível, quanto estiver em vós, tende paz com todos os homens.

CONCLUSÃO

1.               Reconheça que perdoar traz benefícios físicos, mentais e emocionais. Abrir mão da raiva e do ressentimento pode ajudá-lo a se manter calmo, melhorar sua saúde e aumentar sua felicidade. (Provérbios 14:30; Mateus 5:9) Mais importante do que isso: o segredo para ganhar o perdão de Deus é perdoar outros. — Mateus 6:14, 15.
2.               Coloque-se no lugar de outros. Todos nós somos imperfeitos. (Tiago 3:2) Gostamos quando outros nos perdoam. Por isso, também devemos perdoar outros. — Mateus 7:12.
3.               Seja razoável. Quando tivermos de lidar com uma ofensa pequena, podemos aplicar o conselho da Bíblia: “Continuem a suportar uns aos outros.” — Colossenses 3:13.
4.               Não demore. Faça esforço para perdoar o mais rápido possível, em vez de permitir que a raiva tome conta de você. — Efésios 4:26, 27. "Quando vocês ficarem irados, não pequem". Apazigüem a sua ira antes que o sol se ponha, e não deem lugar ao diabo.
5.               José entendeu que tudo que sofreu foi permitido para que Deus realizasse um propósito maior. O que ele tinha que fazer era PERDOAR.